terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Os argumentos para proibir a maconha são mais fortes que argumentos para legalizar? Debata

cannabis medicinalO ano de 2014 pode ser no mínimo considerado o primeiro passo do Brasil rumo à mudança nas leis de drogas, principalmente quando o assunto é maconha. Isso porque o nosso vizinho, Uruguai legalizou geral por lá e o assunto ressoou por aqui. Tudo isso porque primeiramente parlamentares brasileiros se prontificaram a rebater a atitude do Uruguai, dizendo que foi um ato errado que favorece o consumo das drogas. Por outro lado, governantes uruguaios dizem que os brasileiros que estão precipitados, pois essa seria a forma correta de tirar o poder do comércio do narcotráfico. 

Por essas razões, a Constituição de Direitos Humanos (CDH) e Comissão de Justiça (CCJ) realizaram sessões no Senado Federal para debaterem o tema, sob a presidência do Senador Cristovam Buarque. Que já enviou seu relatório à comissão, pedindo urgência na regulamentação do uso da maconha medicinal, e que continuassem o debate sobre o uso recreativo.

Mas afinal, você sabe quais são os principais argumentos que cada lado usa para defender seu ponto de vista? De que lado você está? Veja 5 argumentos mais comuns usados pelos defensores ou proibicionistas e debata com seus amigos e familiares qual seria o melhor caminho para o Brasil.

Argumentos contra a legalização/regulamentação/legalização:

  1. "Qualquer forma de liberação facilita o consumo por parte dos jovens."
  2. "A legalização não acabaria com o tráfico."
  3. "Liberando teríamos mais viciados jogados nas ruas por falta de clínicas."
  4. "Fumar maconha causa esquizofrenia."
  5. "Liberar maconha medicinal é desculpa para quem quer fumar por diversão ter acesso mais fácil."
Argumentos a favor da legalização/regulamentação/legalização:

  1. "Somente regularizando seria possível controlar o acesso dos jovens às drogas."
  2. "A tomada deste mercado por empresas responsáveis tiraria a força do tráfico."
  3. "Taxando e cobrando impostos, poderiam criar novas clínicas públicas para tratar dependentes."
  4. "Fumar maconha é direito de qualquer cidadão adulto, por livre e espontânea vontade."
  5. "Maconha medicinal é o único remédio que funciona para muita gente."
Pois bem, basicamente esses são os 5 argumentos que mais entram em confronto durante as discussões sobre mudanças na lei de drogas no Brasil, principalmente se tratando do assunto maconha. E de fato não é preciso raciocinar muito para saber que os argumentos usados contra a legalização não são muito verdadeiros quando são tirados das palavras dos proibicionistas e colocados em prática.

Afinal, qualquer jovem pode comprar maconha ou qualquer droga ilícita, independentemente da idade, afinal o traficante não tem qualquer obrigação com a lei, ele é um fora da lei, então pagando o quanto ele pede, ele entrega o produto, sem pensar nas conseqüências para quem irá consumir. Agora, uma loja de bebidas, por exemplo, tem total responsabilidade sobre os produtos que vende, e antes de vender uma garrafa de bebida alcoólica, o comerciante solicita a confirmação de idade através do documento de identidade. O mesmo deveria acontecer com a maconha e outras drogas.

O mercado das drogas é impossível de ser proibido, pois quem quer usar droga vai comprar aonde tiver, e se for o mercado negro o único fornecedor do produto que ele quer usar, é lá mesmo que ele irá comprar, ou seja, irá dar seu dinheiro para traficantes fortalecerem suas armas e assim trazerem mais perigo para os cidadãos de bem e também para as forças policiais. 

A cobrança de impostos sobre cada venda de maconha no comércio, geraria uma nova fonte econômica que poderia ser usada para o tratamento de dependentes químicos de qualquer substância, além de cortar os gastos com força policial para prender e abordar maconheiros nas ruas ou praias do país. Ou seja, deixaria de gastar com o desnecessário e ao mesmo tempo geraria dinheiro para melhorias no país, inclusive para campanhas contra o uso de drogas.

Não existem estudos que possam de fato concluir que a maconha causa esquizofrenia, apesar de muitos profissionais aparecerem na mídia dizendo absurdos desses como se fossem comprovados cientificamente. Por outro lado, estudos surgem todos os dias, com fontes confirmadas, sobres os benefícios medicinais, tanto físicos quanto mentais, do uso da cannabis. Além disso, o álcool e cigarro também fazem mal, mas qualquer cidadão adulto que queira consumir, tem esse direito e compra em uma loja, sabendo do mal que está fazendo a si próprio.

legalização da maconhaO último argumento é o principal e é imediato. Regulamentar a produção e consumo de maconha medicinal é fundamental para milhares de pessoas no Brasil. Desde crianças até idosos, desde cólicas menstruais até casos raros e graves de epilepsia. Pessoas estão morrendo todos os dias por não terem informação e nem acesso à maconha medicinal. Outro assunto que deve ser regulamentado, é o cultivo caseiro de maconha para aquelas pessoas que quiserem consumi-la como remédio, pois a importação é extremamente custosa e burocrática, o que já impossibilita o acesso aos mais humildes. 

Então, de que lado você está? É bom saber que muitos dos conceitos antigos criados a respeito da maconha, são meramente preconceituosos e sem fundamentos, então informação é sempre o melhor remédio. Pense a respeito e discuta.

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Deu zica! Cannabis Cup 2014 foi encerrada no primeiro dia em Amsterdã

Tudo já estava planejado para a Cannabis Cup Amsterdã 2014, evento promovido pela revista High Times. Seriam 5 dias seguidos de adoração à erva mais consumida do planeta, começando domingo (23). Mas na verdade, as portas não foram abertas dessa vez.

Funcionários da High Times juntamente com equipe local, trabalharam duro para afastar os participantes da Copa Cannabis na manhã deste domingo, no centro de evento mais popular de Amsterdã, o Melkweg. A prefeitura teve problemas com a organização do evento e estava ameaçando prender todos os que descumprissem as ordens, segundo os organizadores.

"Esta manhã, fomos informados de que, se prosseguíssemos com a Expo Cannabis Cup o evento seria encerrado e todos os participantes seriam presos," High Times publicou em nota no domingo. "Nos 26 anos da Copa Cannabis, nunca houve qualquer problema de saúde ou de segurança, nem houve qualquer ilegalidade por parte dos participantes." Disse um dos organizadores.

A revista chama de repentina mudança do prefeito com "intervenção extra-legal". Alguns dos eventos continuarão como programado, mas outros serão realocados, disse a High Times.

"Queremos que todos saibam que seminários continuarão como programados na segunda-feira e terça-feira no Melkweg. Nós vamos anunciar o local de seminários de quarta-feira e quinta-feira nas próximas 24 horas. Shows e a Premiação da Copa Cannabis permanecem como programados. "

A revista incluiu um pedido de desculpas aos seus fornecedores na sua nota.

"Queremos que todos saibam que nós nunca teríamos permitido a organização da Expo Cannabis Cup, sem garantias do gabinete do prefeito que estavam sob seu cumprimento."

Há certo tempo boatos surgem de que a Holanda está repensando sua liberdade em relação à maconha. Mas todo o problema gerado em relação à erva na Holanda, é o fato de que a produção não é regulada como a venda. Você pode ter sua loja e vender, mas de onde você compra é você que decide, e normalmente isso é feito pelo mercado negro, e a partir do momento que entra o produto na sua loja, o governo já não "liga para o problema". Mas essa atitude da prefeitura da Amsterdã é muito estranha e sinto muito por aqueles que programaram sua viagem do ano para os Países Baixos e comparecer na Copa da maconha. Esperamos que tudo se esclareça.

Para mostrar o baixo astral causado pela confusão, vai esse vídeo registrado por um dos participantes da frustrada copa.


sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Paciente de 65 anos de idade, com câncer, usou cogumelos mágicos e sua vida mudou

cogumelos mágicosEm agosto de 2012, uma mulher de 65 anos chamada Estalyn Walcoff teve uma experiência de mudança de vida com Psilocina, a substância química ativa nos cogumelos psicodélicos, da Família Psilocybe de cogumelos.

Estalyn ofereceu-se para participar de um estudo de como a psilocibina (que se transforma em Psilocina no fígado) afeta o cérebro de pacientes com câncer, com ansiedade e depressão.

Ela tinha ansiedade severa de seu diagnóstico com uma forma agressiva de câncer não especificado, há cinco anos, até sua experiência com este fármaco tê-la mudado para sempre, aliviando com sucesso a sua ansiedade sobre o câncer.

Estalyn tomou um assento em uma sala confortável, e a ela foi entregue uma pílula por alguns pesquisadores. Sem saber se era ou não um placebo, ela tomou-a, e dentro de uma hora ela começou a viajar.

Inicialmente, ela se sentiu com ansiedade e pânico. Ela disse:

"Eu experimentei grande ansiedade [...] eu experimentei-a como a dor física e, em seguida, comecei a ver que era realmente um nível de minha mente. E por baixo que eu comecei a sentir uma grande dor emocional ".

Ela acabou chorando por horas, até que uma sensação de clareza e positividade sem precedentes foi deixada no rastro da dor.

"A pior dor e o pior medo e a pior ansiedade se transformaram em algo que se abriu, que é a coisa mais preciosa que eu já conheci", ela continuou a dizer. "E pensar que eu não tinha conhecimento - oh meu Deus eu não posso acreditar que eu não conhecia isso antes. Foi um sentimento, eu desejo que eu poderia colocá-lo em palavras, mas um senso de conexão que é executado através de todos nós. "

A maneira que a psilocibina (Psilocina) funciona, permite que uma pessoa possa fazer novas passagens mentais no cérebro, e cavar fundo nos túneis da mente para melhor ou para pior.

Uma pessoa iria encontrar os melhores resultados com Psilocina exercendo a força mental para lidar com os 'túneis' que levam para baixo, enquanto estão sob efeito de cogumelos, mas mesmo os despreparados normalmente são deixados com clareza ao final de uma viagem. Uma pessoa usando Psilocibina deve utilizar a capacidade de conectar peças raramente usadas da mente para a criação de processos benéficos de clareza, para ter sucesso com a substância. A construção de processos de pensamento benéficos que são lembrados e utilizados depois do disparo, é um dos principais benefícios de se tomar os cogumelos.

Como muitos de vocês que estão lendo isso provavelmente já sabem, cogumelos alucinógenos também podem levar as pessoas a fazer coisas como chorar por horas, ou de repente começar a pensar em coisas antigas que estavam "engarrafadas" por longos períodos de tempo. Esta é uma ocorrência comum.

Problemas de trauma passados e reprimidos que nunca foram totalmente resolvidos na mente ou reconhecidos, depois que uma pessoa faz algo como debater por horas ou passar sua viagem de cogumelo incontrolavelmente revisitando as engarrafadas emoções / traumas, as emoções ou traumas costumam cessar, isso porque o indivíduo finalmente lidou com isso.

O vídeo de 11 minutos original em inglês e sem legendas, feito nas primeiras fases da viagem de Estalyn, pode ser visto clicando aqui.

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Entenda porque a manga é a companheira ideal da maconha

potencializador de efeitos da maconhaPesquisadores da Universidade de San Diego, na Califórnia, descobriram que a estrutura química da manga e da maconha são uma ótima combinação no corpo para favorecer os efeitos positivos da cannabis tanto em seu uso medicinal quanto recreativo. 

Tendências 
Em uma descoberta talvez um pouco inesperada, mas não menos útil, pesquisadores da Universidade de San Diego, divulgaram que os componentes químicos da manga e os da maconha formam um time perfeito, especialmente no que diz respeito aos efeitos positivos da cannabis, como as suas propriedades analgésicas e anti-depressivos, mas também funciona no caso do uso recreativo. 

De acordo com este estudo, mircenos presentes na manga (um hidrato de carbono monoterpeno linear que é o principal componente do óleo essencial da fruta), um anti-inflamatório natural que também pode ser sedativo, hipnótico, analgésico e relaxante muscular que também altera a barreira de sangue no cérebro favorecendo a entrada de canabinoides e que por isso produz um aumento no efeito da maconha. 

O mirceno ajuda na penetração das moléculas de THC no cérebro em menos tempo, contribuindo assim para o reforço e a extensão dos efeitos psicoativos dos canabinoides. 

O corpo reage à entrada de THC, o que ajuda a atravessar a barreira fisiológica entre o sistema circulatório e o sistema nervoso central de forma muito mais rápida e mais eficiente. Por isso, tanto o uso recreativo quanto medicinal, mostram resultados de combinação ideal entre manga e maconha

Na prática, esta recomendação também depende do metabolismo de cada pessoa. Aqueles com um metabolismo mais rápido podem precisar manusear uma maior porção dos que têm um metabolismo lento (até mesmo neste caso, o fruto pode ser comido meia hora antes de fumar). 

Além disso, a manga é recomendada para a assim chamada "larica" consumida na fome que vem depois de usar maconha. Além disso, é muito mais saudável do que os alimentos ricos em açúcar, farinha e gordura (que normalmente são usados).

Lembramos que a manga pode ser usada antes do consumo através do fumo ou mesmo da vaporização, o que é bom de ser lembrado. Pois esse método de uso da maconha está cada dia mais comum no Brasil, pois as pessoas estão descobrindo que vale a pena o investimento em aparalho vaporizador, que faz a maconha render mais tempo (pois necessita de menor quantidade para obter o mesmo efeito) além do fator saúde, que por não ter fumaça, não ter alcatrão, se torna um método completamente saudável de consumo da maconha, sendo 100% aprovado medicinalmente.

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Entenda como funciona um cérebro sob efeito de cogumelos mágicos

Psilocybe cubensisOs exames de imagem do cérebro de pessoas sob a influência de psilocibina, o ingrediente alucinógeno dos cogumelos mágicos, pode ajudar a mostrar-nos como seus efeitos estranhos funcionam. A nova pesquisa revela que a droga faz com que partes do cérebro que não são normalmente conectadas passem a ter uma forte ligação, potencialmente explicando porque compostos psicodélicos podem ajudar a combater a depressão e causar sinestesia (mistura dos sentidos, como sentir gosto de sons e cheiros de palavras). 

As drogas psicodélicas têm sido usadas durante séculos em cerimônias de cura e tão recentemente quanto os anos 1950 em psicoterapia. Embora as pesquisas sobre psicodélicos estagnaram por décadas, porque eles são vistos hoje como drogas ilegais perigosas, novos estudos têm reacendido o interesse em seu potencial terapêutico. 

Para saber mais sobre como os psicodélicos funcionam no cérebro, os cientistas injetaram em 15 voluntários saudáveis​ a psilocibina, então eles tiveram seus cérebros escaneados, e investigou-se a mudança de consciência normal de vigília para o estado psicodélico. Durante o estado psicodélico, a organização normal do cérebro tornou-se interrompida, levando a uma maior comunicação através de todo o cérebro. 

Isso é consistente com a descrição dos psicodélicos como substâncias que expandem a mente. Estas descobertas podem também explicar por que psicodélicos causam frequentemente sinestesia, onde estimulando um sentido desencadeiam-se experiências em um sentido relacionado, fazendo com que as pessoas, por exemplo, ouçam cores e palavras gustativas. Ao estabelecer novas ligações no cérebro, os sentidos que antes eram independentes podem se tornar conectados nas experiências sinestésicas, diz o co-autor Federico Turkheimer, operador de neuroimagem do King College London. 

Finalmente, essas descobertas podem explicar por que os psicodélicos podem combater a depressão. "Uma das características do cérebro deprimido é que ele fica preso em um loop - você ficar trancado em pensamentos repetitivos e negativos", diz Turkheimer. "O que essas drogas fazem é quebrar o ciclo, mudar os padrões de conectividade no cérebro."

As pessoas do último século foram vítimas de uma série de mentiras sobre as drogas, e por falta de acesso a informações válidas e boas, eles acreditaram de fato que algumas drogas, tidas hoje como proibidas e perigosas, na verdade podem ter uma série de benefícios físicos e psicológicos. Obviamente estudos devem sempre ser feitos para garantir a segurança e a forma adequada de se usar, mas isso só é possível com a legalização, o que garante a permissão facilitada para que instituições pesquisem e descubram tudo sobre as drogas, principalmente as psicodélicas.

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

5 diferenças entre Cannabis sativa e indica

diferença entre cannabisAs plantas são classificadas de acordo com um sistema que remonta centenas de anos. Cannabis sativa L. é o nome binomial ou o nome da espécie da planta cannabis. É proveniente da família de plantas conhecidas como Canabiceae, que inclui outras plantas, como lúpulo e mandioca. 

Cannabis pode ser subdividida em duas subespécies principais, sativa e indica. Existem variações para essas sub-espécies na forma de híbridos e uma outra subespécie, Ruderalis, que é menos comum. Para os nossos propósitos aqui, vamos estar a olhar para as diferenças entre as linhagens sativa e indica. 

Cepas Sativa originaram-se em uma área ao redor da linha do equador e pode ser encontrada em países como Colômbia, México, Tailândia e várias nações africanas. 

As cepas indica originaram-se a partir de uma altitude superior e pode ser encontradas predominantemente em países conhecidos por sua cultura de haxixe, como o Marrocos, Afeganistão, Nepal e Turquia. Estas plantas são plantas mais baixas e mais completas em comparação com os seus homólogos sativa. 

As cinco principais diferenças entre indica e sativa são: 

Tamanho: 
Sativas sempre crescem mais alto do que suas irmãs indica. Eu já vi sativas ficarem tão grandes como 3 metros de altura enquanto indicas tendem a ficar curtas - cerca de um metro e meio. 

Efeito / Onda: 
Como um fumante conhecedor não há nada como uma onda de sativa. As sativas são como um Chateau Lafitte Rothschild '65: Um bom vinho que o gosto fica ainda melhor com a idade. Eu fumei sativas que foram curadas por mais de 24 meses e a onda não tinha teto, o que significa que a cada novo baseado que você fumava você só tem mais e mais chapação. Com as indicas eu acho que o efeito seja bastante universal em múltiplas linhagens diferentes. É geralmente um "eu quero sentar e jogar Playstation" tipo preso ao sofá. Dito isto, é, na verdade, as indicas que têm o efeito mais forte analgésico quando se trata de cannabis medicinal, geralmente as sativas têm uma maior quantidade de THC em relação ao CDB, o que causa mais euforia. 

Sabor: 
Sativas têm uma ampla gama de sabores de frutas, como um Thai frutado ou Amnesia. As indicas também podem ser bastante frutadas no monte de variedades Kush, bem como sabores skunk esportivos como os encontrados em híbridos indica. 

Floração: 
Sativas podem levar um longo tempo para terminar, eu vi uma planta seguir ao longo de 20 semanas, foi uma cambojana pura com as folhas mais finas que eu já vi. Com sativas você pode sempre alterar o período de 12/12 a 11 de luz e 13 desligado para acelerar as coisas nas últimas semanas. Indicas têm um tempo de floração muito mais curto com a indica o mais rápido que eu já vi terminando cerca de 44 dias, foi uma strain holandesa chamada Top44. No entanto, geralmente, indicas terminam entre oito e 10 semanas. Adicionada de CO2 elas costumam terminar uma semana antes. 

Rendimento: 
De um modo geral as indicas tendem a ter um rendimento maior do que suas irmãs sativas. No entanto, há exceções. Já vi uma sativa que terminou em 14 semanas, mas teve um rendimento que foi quase o dobro de qualquer outra planta que tive. No lado das coisas indica, a OG Kush tende a ter baixo rendimento em comparação com algumas outras irmãs indicas que podem ter mega safras.
 
 

NÃO COMPRE, PLANTE!

 

Vamos curtir galera!

Esquadrilha da Fumaça

Visitas

 
Real Time Web Analytics