segunda-feira, 12 de março de 2012

Maconha e informação


Quando se diz em regular a maconha, não estamos falando para que se vire uma anarquia, mas que desta forma se possam criar diretrizes mais eficientes para combater o abuso de substâncias entorpecentes. No Brasil, cerca de 9% da população a usa Maconha ou ao menos a usou regularmente. Hoje em dia, estima-se que 65% das pessoas têm acesso fácil a ela.

Muitas coisas se falam da Maconha, contudo, de verdadeiro mesmo são poucas, isto porque a demonização da erva foi tanta que conseguiram até que se excluísse a Cannabis sativa de pesquisas cientificas. Contudo, é cada vez mais comum os jovens se interessarem pela erva. Neste jogo, a melhor arma para os pais é a informação de qualidade, portanto, vamos a ela.

Um levantamento feito pela Unifesp estabelece uma associação entre o consumo da Cannabis sativa antes dos 15 anos e déficits cognitivos. Contudo, ele não define o que causa o quê, porque não dá para saber se foi a droga que gerou as falhas na cabeça ou se, por outro lado, os sujeitos com uma cognição menos privilegiada teriam, naturalmente, uma maior tendência a dar tragadas e mais tragadas. “Para resolver essa pendência, é necessário testar voluntários antes, ao longo e depois do período em que começarem a fumar, um processo complicado e demorado”, explica o neurocientista Renato Malcher Lopes, da Universidade de Brasília. Assim sendo, é impossível dizer com todas as letras que maconha é sinônimo de tilts duradouros no cérebro.

A lógica, aliás, assemelha-se com a relação descoberta entre essa erva e a depressão. Enquanto há gente que acredita na hipótese de que ela seria o estopim desse mal em alguns casos, outros creem que quem sofre com o problema vê nela uma espécie de relaxante. “Existem mesmo pacientes psiquiátricos que a utilizam como medicamento. Mas isso não é indicado, principalmente sem a orientação de um profissional”, reflete Jannuzzi Cunha, neuropsicóloga do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo (HC)

Uma porta de entrada?

“As pessoas podem progredir da maconha para outra droga. Mas isso é somente uma associação, e não uma regra”, relata Ivan Mario Braun. Um possível motivo é o desejo de a pessoa, ao longo do tempo, querer experimentar outras, digamos, viagens alucinógenas. “Um grande problema é que o usuário geralmente compra maconha do traficante. E esse oferece outras substâncias junto para aumentar seus próprios lucros”, afirma Jannuzzi Cunha.

A maconha em números
- 67% dos usuários começam a fumar maconha entre 12 e 17 anos;
- 16% entre 18 e 25;
- 5,5% acima dos 25;
- 1,5% com menos de 12;
- 9% dos indivíduos que fumam maconha ficam viciados;
- O número sobe para 16% se o consumo se inicia nos primeiros anos da adolescência;
- 65,1% das pessoas têm acesso fácil à Cannabis Sativa;
- 3 anos é o tempo que transcorre, em média, do momento da experimentação até o uso crônico. Mas, claro, muita gente para antes disso;
- É a droga ilícita mais consumida no mundo

0 comments:

Postar um comentário

 
 

NÃO COMPRE, PLANTE!

 

Vamos curtir galera!

Colaboradores

Esquadrilha da Fumaça

Visitas

 
Real Time Web Analytics