terça-feira, 4 de setembro de 2012

Entrevista: Márcio PXE


Dando sequência ao ciclo de entrevistas do blog Maconha da Lata, o leitor vai poder acompanhar o nosso bate papo com o carioca, artista, designer gráfico ou como ele próprio se denomina, um revolucionário, Márcio PXE. Confira esta super entrevista feito por nós e boa leitura para todos!!

Você esteve presente no I Pot in Rio, gostaria que você falasse deste momento inédito na cultura canábica brasileira.

Como usuário e admirador da planta, foi uma felicidade imensa estar lá, vendo e mostrando que há muito além de só fumar maconha.

Como você enxerga a vida do artista brasileiro?Na maioria das vezes, o reconhecimento da sociedade é gratificante, ou você ainda acha que falta muito?

Vida de artista não é fácil, mas talvez seja ainda mais difícil no Brasil. Infelizmente, enquanto você não está cheio da grana, não te respeitam como artista. Reconhecimento existe, mas ninguém te ajuda – isso é fato.

Existe algum trabalho de sua carreira que você tem como preferido de todos?

Minha carreira começou no início dos anos 90, criando estampas para as skatewear do Rio, quando o skate ainda era bem underground. Depois vieram as agências de design e publicidade e de 2006 pra cá, a volta às artes e o início no grafite em 2010, com a possibilidade de mostrar meu trabalho pra muita gente. Então, melhor que definir um trabalho preferido, escolho um momento que é exatamente esse que estou vivendo.

Qual é a sua fonte de inspiração antes de um trabalho? Existe alguma espécie de ritual que você queira compartilhar com os nossos amigos leitores?
Me amarro em desenhar chapado, mas não dependendo da erva pra criar. Minha fonte de inspiração é o universo, o cotidiano... Posso ver ou ouvir algo e dali tirar uma ideia ou ela simplesmente aparece, como mágica.

Como você enxerga a atual política de drogas que é adotada no Brasil?

Ridícula, né? É bom ver que existe um esforço cada vez maior pela legalização, mas a falta de informação e o preconceito ainda prevalecem. Mas isso vai mudar logo e depende muito mais dos usuários do que qualquer campanha, meio de comunicação ou pessoa. Se não lutarmos pelos nossos direitos, vamos continuar levando porrada na cabeça.

Atualmente, os países da América Latina vêm mudando o seu pensamento quanto ao modo de se combater o uso de entorpecentes. O que você pensa sobre o Uruguai, que quer estatizar a produção e o controle da maconha?

Acho essa atitude do Uruguai interessante, porque serve de exemplo para outros países. Mas ainda acho que além de transformar a planta num produto é preciso deixar a planta ser planta, isto é, dar a possibilidade a qualquer um de cultivar a própria maconha.

Como você vê a possível descriminalização do cultivo caseiro de maconha no Brasil?

Acho que já passou da hora! Tem que descriminalizar o cultivo caseiro pra ontem, pra já! Prensado já era, que venham os camarões!

Atualmente você está desenvolvendo algum trabalho artístico? Conte para nossos leitores.

No momento, tenho desenhado e grafitado bastante. Além disso, estou editando e publicando um reality show de altinha com 56 capítulos que rolou no verão de 2012, preparando uma ação anti-lixo na Praia de Ipanema com amigos da Escola Alemã e ainda num ritmo lento, criando peças para uma futura exposição.

Você atualmente estreou um programa na Rádio Legalize, certo? Conte nos como está sendo esta nova experiência.
To amarradão em fazer o PXE and the ROCKS na Rádio Legalize (toda sexta, 19hs), que já caminha pra 8ª edição. Sempre fui muito ligado à música, desde moleque e agora tô tendo essa chance de mostrar o que garimpei por tanto tempo, com total liberdade.

Deixe uma frase para os amigos do Maconha da Lata que acompanharam esta entrevista.

Seja feliz, mas seja agora! Legalize já!!! 

Acesse a página do PXE no Facebook!

0 comments:

Postar um comentário

 
 

NÃO COMPRE, PLANTE!

 

Vamos curtir galera!

Esquadrilha da Fumaça

Visitas

 
Real Time Web Analytics