sexta-feira, 19 de julho de 2013

Regras olímpicas para o teste de maconha mudam


fumar maconha - dispensário de maconha medicinalSe passaram 15 anos desde que Ross Rebagliati ganhou a primeira medalha de ouro olímpica de snowboard nos Jogos de Inverno de 1998 - e, em seguida, perdeu essa medalha após testar positivo para maconha no exame anti-doping.

Desde então, a droga tornou-se parte integrante da vida de Rebagliati. O ex atleta no próximo mês vai abrir um dispensário de maconha medicinal em Whistler, British Columbia, Canadá, chamado de "Ross 'Gold". O Canadense também se tornou um rosto público para os atletas fumadores de maconha em todo o mundo.

Agora com 42 anos, Rebagliati que mudar as atitudes do sistema anti-doping, pois defende que a maconha - que é agora legal para fins medicinais no Canadá e em 14 estados dos EUA, deve ser tratada separadamente das demais drogas - e defende a retirada da droga a partir da lista de substâncias proibidas da Agência Mundial Anti-Dopinh, WADA.

Assim como a cocaína e a heroína, a Cannabis é proibida pela WADA durante as competições, que supervisiona testes de drogas em todo o mundo em esportes olímpicos.

A WADA recentemente alterou as suas regras para a maconha, elevando o limite para um teste positivo de 15 nanogramas por mililitro de 150 ng / ml. Em 1998, nos Jogos de Nagano, Rebagliati registrou um nível de 17,8 ng / ml, e argumentou que o teste resultou do fumo de segunda mão. Ben Nichols, um porta-voz da WADA, disse que o aumento do limiar serve apenas para pegar atletas que fumam durante o período de competição. A droga não é proibida fora de competições, e a agência não indica a exclusão de nenhum atleta flagrado fumando maconha quando não está em competições oficiais, como foi o caso de Michel Phelps, que foi flagrado fumando maconha em um bong durante uma festa nos E.U.A.

0 comments:

Postar um comentário

 
 

NÃO COMPRE, PLANTE!

 

Vamos curtir galera!

Esquadrilha da Fumaça

Visitas

 
Real Time Web Analytics