sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

A liberdade religiosa precisa ser respeitada. Liberdade ao Ras Geraldinho!


A constituição brasileira prevê que a liberdade religiosa deve ser respeitada, ou seja, independente da sua crença, ela deve ser aceita e livre de perseguições da sociedade ou de qualquer outra máquina governamental. Contudo, a Constituição parece ser apenas um pedaço de papel, uma vez que existe um desrespeito tremendo do que ali está escrito, sendo que comumente o direito penal é passado na frente deste conjunto de leis que em tese não poderia de forma alguma entrar em conflito com qualquer outra lei.

Porém, não é isso que se vê no Brasil. Com tanta bandalheira, no qual verdadeiros bandidos –vide caso mensalão  - são condenados mas ainda continuam soltos curtindo a vida luxuosa que as maracutais lhes proporcionaram - quando não assumem a cadeira de deputado, como aconteceu com José Genuíno – o 
Estado prefere se ocupar na prisão de líderes religiosos, como é o caso do Ras Geraldinho e claro, a perseguição existe, pela adoração Rastafari à Cannabis Sativa, para eles a árvore da vida, mas para muitos imbecilmente motivo para ser trancafiado como um bandido.

Geraldinho Rastafári, pessoa de bem, simples, humilde, que cultua paz, está preso desde agosto, acusado de tráfico de drogas. Foram encontrados 37 pés de maconha em sua casa. Agora, os bens do religioso, incluindo o imóvel que é sede da Igreja, não podem ser vendidos antes dele ser julgado pela Justiça, que mantém os equívocos de punir quem não deveria ser punido. Além de um desrespeito à Constituição, já que com essa repressão  existe uma descriminação à religião Rastafari, o governo nem ninguém, tem autoridade para execrar qualquer espécie animal ou vegetal da face da Terra.

Marlene Martins, esposa de Geraldinho e uma das responsáveis pela igreja desde que ele foi preso, a rotina dos cultos não foi alterada. “Perdemos nossa liderança, então o movimento cai um pouco. Muitos universitários, principalmente, ficaram com receio após a prisão. Mas continuamos funcionando normalmente”, ressaltou.

O Ministério Público não se pronunciou sobre o caso, mas sabe-se que a próxima audiência do caso ocorrerá dia 17 de janeiro.

A defesa alega que Geraldinho cultivava maconha para uso religioso, algo permitido pela legislação brasileira. A droga seria consumida apenas em ocasiões de culto. O argumento pela liberação é o mesmo usado pela religião do Santo Daime, que usa nas cerimônias um chá elaborado com a erva alucinógena ayahuasca.

“Nossos advogados são os mesmos, e nosso objetivo é provar que podemos usar a cannabis ritualmente”, explica Marlene.

Mais de 3.200 pessoas já assinaram uma petição online, que pede a libertação do líder preso e advoga a liberdade religiosa no país.  Os advogados de Geraldinho já adiantaram que, durante o julgamento, mostrarão como a maconha pode ser usada de forma ritual nos cultos da igreja. Eles entendem que a Justiça não desrespeitará o item da Constituição que garante liberdade religiosa aos brasileiros.

0 comments:

Postar um comentário

 
 

NÃO COMPRE, PLANTE!

 

Vamos curtir galera!

Esquadrilha da Fumaça

Visitas

 
Real Time Web Analytics