terça-feira, 22 de janeiro de 2013

A proibição sustenta o tráfico de drogas


O abuso de substâncias entorpecentes pode ser considerado um dos principais problemas da sociedade moderna. Atualmente, vivemos um momento de transição, deixando de lado a política de “guerra às drogas” e nos atentando ao conceito de redução de danos, numa tentativa de minimizar os impactos negativos causados pela proibição, que além de não controlar a oferta e a demanda das drogas, causa grande violência e traumas irreversíveis na sociedade.

Para se ter ideia, se colocarmos o Rio de Janeiro em evidência, vemos que é justamente a proibição que sustenta o tráfico de drogas e toda a hierarquia da bandidagem. Com a venda de maconha, por exemplo, o lucro ultrapassa 1.500%, de acordo com fontes da polícia fluminense . O quilo é comprado pelos traficantes cariocas por R$ 300. Com a venda, o faturamento dos criminosos chega a R$ 5.000.

Já no comércio de crack, o lucro chega a 272%, enquanto com a cocaína fica em 266%, ainda segundo policiais. No caso da cocaína, o lucro com um quilo é de R$ 20 mil (comprada a R$ 12 mil e vendida a 32 mil). Já o crack é comprado por R$ 11 mil, o quilo, com lucro de R$ 30 mil.

Segundo os cálculos da polícia, o tráfico de drogas em favelas como a  Vila Vintém movimenta mais de R$ 100 mil, diariamente. Nos fins de semana, de sexta-feira a domingo, quando são realizados bailes funk, o movimento praticamente triplica.

Na Cidade de Deus, em Jacarepaguá, na zona oeste, a cocaína costuma ser vendida por quatro preços (R$ 3, R$ 5, R$ 10 e R$ 20). A maconha sai por R$ 2, R$ 5 ou R$ 10. Do total movimentado na maioria das favelas cariocas, aproximadamente 2/3 correspondem ao lucro. O "dono" do morro fica com 1/8, independentemente de a quadrilha ter algum prejuízo com grandes apreensões de drogas, como explica um investigador. - Se um traficante tem uma pistola ou um fuzil apreendido, ele vai ter que recuperar o valor do objeto, porque aquele armamento está sob a responsabilidade dele. Já se o prejuízo for em drogas, todos os integrantes são prejudicados, exceto o dono, que recebe o valor correspondente ao pagamento dele normalmente.

Então, diante deste panorama perverso, porque não apoiar a legalização e tirar este dinheiro do tráfico, para que ele seja destinado a bens públicos, tirando ainda de quebra muitos trabalhadores, que não são bandidos, mas têm que se sujeitar ao ciclo da criminalidade devido à proibição das substâncias entorpecentes.

0 comments:

Postar um comentário

 
 

NÃO COMPRE, PLANTE!

 

Vamos curtir galera!

Esquadrilha da Fumaça

Visitas

 
Real Time Web Analytics